FALA PALHAÇO! Gentileza gera gentileza



Gentileza gera gentileza
Gerson Bernardes



Na verdade não se trata de grandes explanações acerca das frases do Profeta Gentileza sob o ponto de vista apurado por um olhar de palhaço. É só um causo, um relato, uma anedota, uma passagem, uma idéia, que espero sirva de algo.

Lembrei-me dessa história não porque vi faltar gentileza em algum lugar, muito pelo contrário, não tenho do que reclamar. Não tem me faltado gentileza, e quanto a isso aproveito para agradecer pelas que recebo.

Conto uma história que vivenciei. Vivenciei porque senti os efeitos da reação causa-consequência, não fui o agente em torno da mudança, fui mero receptor.

Visitava constantemente um prédio na Rua Paranaguá, Londrina, em meados de 2008/2009. Tinha (ainda tenho, só não os visito mais tão constantemente por termos crescido) amigos que moravam (como disse, ainda moram) lá. Acontece que por conta de umas questões paralelas, um senhor porteiro deste prédio era, para ser econômico, grosseiro com todos as pessoas que pudessem pensar em visitar aquele determinado apartamento. Resumindo, o porteiro, já muito senhor, não gostava de quem morava lá, e por conta disso, não gostava de qualquer pessoa que pudesse gostar ou se relacionar com quem morava lá. E fazia questão de deixar isso claro.

Pois bem. Um outro amigo, este que ainda mora por lá, ia se mudar para aquele apartamento. E se dispôs a quebrar esta "corrente". Resumindo, a despeito de ser tratado mal, passou a tratar bem o senhor porteiro.

Resumo da ópera, o tal senhor porteiro passou a me cumprimentar até mesmo quando não estávamos no prédio na relação porteiro-visitante. Discutíamos sobre futebol quase todas as quartas e domingos. Aconteceu que depois de uns dois anos, quando o senhor porteiro já se encontrava aposentado, me encontrou na rua, e lembrou de me lembrar de um resultado ruim do meu time. 

Isso a tudo para mim, que não era morador nem o tal amigo responsável pela atitude gentil.

Fim. A história é essa. Sem grandes emoções, contextos absurdos. Uma atitude gentil, persistente, gentilezas espalhadas. A despeito da exceção, alguém estava certo quanto a regra.

A propósito, o meu muito obrigado ao meu amigo por este e por tantos outros ensinamentos.

acesse todas as postagens do FALA PALHAÇO! aqui

Nenhum comentário:

Postar um comentário