FALA PALHAÇO! Curtir

Toda terça, uma coluna onde Gerson Bernardes e Alexandre Simioni escrevem sobre diversos assuntos, sempre sobre a ótica do palhaço.




Lambreta e Mereceu em ilustração de Carlos Nascimento (Nasci)



Curtir

Ale Simioni



Estamos em clima de protesto aqui no Triolé Cultural, mas não se preocupe que não estamos contra ninguém, por enquanto é só para nos divertir; e se você se divertir também, estamos no lucro. Amanhã começa uma nova coluna por aqui. Na verdade, o texto anterior que postei (leia o post clicando aqui) tem tudo a ver com a coluna que vamos inaugurar nessa quarta-feira , e que deve permanecer abastecida sempre com novas fotos durante uns três meses.


Mas só pra não sair do assunto, tenho visto uma enxurrada de gente botando a boca no trombone (abre aspas: quando a gente começa a usar uns termos que eram dos nossos pais, percebe que está ficando velho, ou no mínimo ranzinza. Fecha aspas) principalmente no Facebook. O camarada abre seu “note”, entra na rede social e fica ali, na frente da tela, navegando suavemente, como um pescador aguardando o peixe.


Até que chega uma mensagem de protesto! O camarada vai seco e... curtir! Não satisfeito ele fica mais ousado e... compartilhar! Agora sim ele se sente um ativista. Mas ainda não está satisfeito, precisa escrever algumas palavras de ordem do tipo: “acho um absurdo...”, “não concordo com essa decisão...” ou “vamos nos reunir em tal local...”. Essa última, na verdade só pra dar um peso a mais para a sua indignação, porque ele não pretende se reunir com ninguém.


Depois de mais algumas horas, passeando, falando besteiras, assistindo uns vídeos , enviando feliz aniversário e curtindo vários comentários, o camarada desliga seu “note” certo de que se relacionou pra caramba e realizou a (ou as) boa ação do dia. Daí eu me pergunto: e na vida real, o que fazemos? Nas relações com as pessoas do trabalho, com nossos familiares, com aquele senhor ou aquela senhora que organiza as bandejas na praça de alimentação do shopping. Damos bom dia? Um abraço? Nos organizamos pessoalmente para discutir algum assunto? Mas de verdade, não só porque uma máquina me lembrou que isso é politicamente correto.


Não sou contra as indignações e os protestos que aparecem aqui na rede, mas curtir e compartilhar pra mim, ainda é mais gostoso “ao vivo e à cores” – vixi, olha aí outra frase do tempo do êpa... – melhor parar por aqui..

Nenhum comentário:

Postar um comentário